Portal Uauá
Uauá site da cidade

Plano de recuperação da United Mills é confirmado pela Justiça

São Paulo 14/8/2020 – Como resultado imediato, a decisão possibilitou o soerguimento de uma das marcas mais reconhecidas em seu setor.

TJ-SP mantém decisão que considerou abusivo voto de fundo credor em plano de recuperação

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que considerou abusivo o voto de fundo credor que, em assembleia geral de credores, resultou na rejeição do plano de recuperação judicial da empresa United Mills, dona da marca Trio Alimentos – Barras de cereais e proteínas.

A primeira instância declarou abusivo o voto da agravante e, em consequência, homologou o plano de recuperação judicial da empresa. O credor alega que seu voto não foi abusivo, mas calcado na impossibilidade de recuperação da devedora.

De acordo com o advogado Marcelo Muniz, da Keppler Advogados e responsável pela defesa da United Mills, a decisão “reforçou o instituto da recuperação judicial como solução de continuidade para a empresa em dificuldade e apregoou o dever de cooperação entre as partes, algo salutar em processos dessa natureza. Isso porque prestigia o diálogo e esforço mútuo entre credores e devedores, contribuindo para construção de soluções melhor satisfatórias a todos envolvidos. Como resultado imediato, a decisão possibilitou o soerguimento de uma das marcas mais reconhecidas em seu setor”.

De acordo com o relator do recurso, desembargador Azuma Nishi, “a postura omissa do credor, não se dispondo a nenhum tipo de negociação, pretendendo, tão somente, a convolação da falência do devedor, é indicativa de abusividade”. Para o magistrado, o voto da agravante carece de lógica econômica, uma vez que sua posição no cenário falimentar é mais desfavorável do que aquela decorrente da aprovação do plano. “Embora o Fundo Credor não concorde com a avaliação da marca, é certo que após a falência, esse item patrimonial sofrerá sensível depreciação. Lado outro, a viabilidade econômica já foi objeto de apreciação pela maioria dos credores, de modo que o inconformismo do credor não se mostra razoável para justificar sua posição intransigente perante as condições do plano, denotando, inclusive, ausência de predisposição para negociar”, afirmou.

O julgamento, de votação unânime, teve a participação dos desembargadores Pereira Calças e Fortes Barbosa.

Agravo de Instrumento nº 2249013-86.2019.8.26.000

Com informações do TJ-SP

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceito Leia mais

Privacidade& Política de Cookies