Portal Uauá
Uauá site da cidade

Lei de Transação Tributária permite negociação personalizada entre devedor e fisco

São Paulo – SP 25/8/2020 – A Lei promove uma revolução na relação entre o fisco e o contribuinte, pois busca viabilizar todas as possibilidades para diminuir o contencioso tributárioPara realizar um bom negócio, viável ao empresário e conveniente para o fisco, é necessária estratégia adequada por parte do contribuinte

Em abril de 2020, foi sancionada no Brasil a Lei de Transação tributária, que estabelece requisitos e condições para que devedores possam quitar débitos com a União, suas autarquias e fundações.

A regularidade fiscal traz muitos benefícios para os devedores de tributos. É ela que possibilita a obtenção de Certidões Negativas de Débitos Tributários (CNDs), viabiliza a contratação com o poder público, autoriza a participação em licitações e legitima eventuais empréstimos em instituições financeiras. Por isso é tão almejada.

Muitos dos elementos essenciais para obtenção da regularidade fiscal já estavam presentes no Código Tributário Nacional (1966), como por exemplo a dação em pagamento de bem imóvel (acordo entre credor e devedor em que credor pode aceitar receber prestação diferente da que lhe é devida) e o parcelamento. Depois de alguns programas de Recuperação Fiscal (REFIS) mal-sucedidos, em 2016 a Lei 13.259 finalmente regulamentou a quitação fiscal pela dação em pagamento de bens imóveis. Ainda assim, esta não foi suficiente para inúmeros contribuintes.

Mas o que muda com a Transação Tributária da Lei 13.988/2020? O que ela tem de tão especial?

A Transação Tributária, muito mais abrangente que o parcelamento de dívidas, consiste na possibilidade de negociação personalizada para quitação de débitos fiscais entre o fisco e o contribuinte. E há muitas possibilidades de negociação, como descontos progressivos de até 100% sobre multas, substituições de garantias, suspensão de processos administrativos e judiciais, mais parcelas para pagamento, possibilidade de afastar a penhora do faturamento pela garantia do imóvel da sede da empresa e até quitar débitos tributários com bens imóveis.

Para a advogada Luiza Noronha Siqueira, “A Lei de Transação Tributária promove uma revolução na relação entre o fisco e o contribuinte, pois busca viabilizar todas as possibilidades existentes no ordenamento jurídico para diminuir o contencioso tributário”.

Com a pandemia ocasionada pela COVID-19 a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) também regulamentou a Transação Excepcional, por meio da Portaria 14.402, de junho de 2020, possibilitando o parcelamento de débitos fiscais das micro e pequenas empresas enquadradas no regime do Simples Nacional. A adesão à modalidade está disponível até 29 de dezembro de 2020, com termos pré-fixados desde sua publicação.

Luiza complementa: “Com mais de uma opção disponível para quitar seus débitos, o contribuinte precisa estar atento e montar uma estratégia adequada à sua realidade e capacidade de pagamento”.

Website: http://www.publicaffairs.com.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceito Leia mais

Privacidade& Política de Cookies