Portal Uauá
Uauá site da cidade

Cesta Básica: entre os vilões do aumento do preço até a banana ficou mais cara, segundo pesquisa da Facape

A Faculdade de Petrolina divulgou o boletim da cesta básica do mês de agosto. A pesquisa do Colegiado de Economia da FACAPE, aponta um custo maior em Petrolina, comparado a Juazeiro.

Em Petrolina a cesta básica está custando 476,32 e a de Juazeiro está custando 412,50. Juazeiro também foi a que mais reduziu os preços em relação ao mês de Julho com uma baixa de -3,08%, enquanto em Petrolina essa queda foi de -0,4%, gerando a deflação no período foi de -1,47%. 

Todos os itens nas duas cidades têm valores acumulados positivos, apresentando aumentos nos últimos 12 meses, tendo em vista a carne como o item que mais custa na cesta, porém o óleo de soja é o campeão de aumento de preços em Petrolina e Juazeiro foi cerca de 53,87% no mesmo período.

O que provocou o aumento

Nos últimos 12 meses, em Juazeiro os alimentos acumulam alta de 13,77%. Em Petrolina, o acumulado é de 29,88%.Nas duas cidades praticamente todos os itens que compõem o custo da cesta básica têm valores acumulados positivos, ou seja, apresentaram aumento de preços nos últimos 12 meses. Entre os violões do aumento no custo estão a carne,  o arroz, a farinha, o óleo de soja, o feijão, o leite, o açúcar e a banana. “Com a taxa de câmbio atual, favorecendo as exportações, muitos produtores de soja decidiram aumentar as exportações de soja e isso reduziu a quantidade disponível no mercado interno para fazer produtos derivados como o óleo”, explicou o coordenador da pesquisa, professor João Ricardo Lima.

Maria Rozeane de Oliveira percebeu aumento em itens como o café em pó. “A gente comprava café de 7 reais. Hoje a gente encontra 11 reais. Está muito caro. A mesma situação está acontecendo com a carne. Todo mês é um susto,” relatou a dona de casa

Uma geada em Minas Gerais atrapalhou a safra do grão e isso fez cair a oferta do produto no mercado. O aumento no preço da carne é por causa das exportações do Brasil para a China que reduziu a quantidade no mercado interno, provocando o aumento de preços.

O  professor João Ricardo orienta que o consumidor pesquise antes de comprar porque a diferença de valores pode exceder os 200%. 

Assessoria de Comunicação da Facape

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceito Leia mais

Privacidade& Política de Cookies