Portal Uauá
Uauá site da cidade

Agricultura familiar dá sabor ao São João da Bahia e garante emprego e renda para agricultores

- Anúncios-

Agricultura familiar dá sabor ao São João da Bahia e garante emprego e renda para agricultores


O São João da Bahia tem cheiro e sabor da agricultura familiar. Este ano, as festas continuam suspensas, mas as delícias típicas estão garantidas. A colheita dos principais produtos das festas juninas, como o milho, a mandioca, o amendoim e a laranja, está a todo vapor e as vendas sendo realizadas em feiras livres e mercados municipais de todo o estado, garantindo o preparo das comidas e bebidas típicas e renda para o agricultor.

O milho é o principal ingrediente da festa. Assado, cozido ou como canjica, curau e pamonha, seja como for, ele não pode faltar, e os agricultores da Cooperativa Agropecuária Mista Regional de Irecê (Copirecê) garantiram a produção. Foram 900 mil quilos de milho colhidos na safra de 2021.

A maior parte do milho colhido é transformada, pela cooperativa, em produtos, como o Flocão Puro Milho, Mingau de Milho Verde, Mingau Multicereais, Mugunzá e Creme de Milho, reconhecidos por serem os únicos com milho não transgênico do estado. Tudo já pronto para fazer parte da mesa dos quitutes de São João.

De acordo com o presidente da Copirecê, Walter Ney Dourado, o mês de junho é o mais esperado pela cooperativa: “É aquele mês que a gente sabe que a meta será alta, e trabalhamos fortemente para alcançá-la. Fazendo uma comparação com o mesmo período do ano passado, já notamos um aumento no nosso faturamento, de 40% a mais. Os produtos mais procurados neste mês é a canjica amarela para mungunzá, canjiquinha ou curau de milho”.

Segundo dados do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 2017), a agricultura familiar responde na Bahia por 59,0% da produção anual de milho verde em espiga, por 79,0% da produção de amendoim, 76,0% da produção de mandioca e 42,0% da produção de laranja.

O amendoim também é protagonista da festa e é base de diversas receitas saborosas, tanto de bebidas como de comidas. No município de Acajutiba, os agricultores familiares da Associação Pajeú colheram 30 mil quilos de amendoim de seus quintais e a venda já está garantida na região. A agricultora Trindade Reis é uma das produtoras de amendoim: “Todos os anos a gente planta amendoim e tiramos entre 45 a 50 sacas. É um complemento que garante mais três meses de renda”.

Outro produto que reina neste período é a mandioca, ingrediente básico que dá forma à farinha, beijus, gomas, polvilhos e bolos. A Cooperativa de Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan) produziu 1.352 toneladas de mandioca, de janeiro a maio deste ano, e já contabiliza um aumento de 56% em relação ao ano passado. Na Coopatan, a mandioca vira beiju e farinha, também com a marca Itabaiana e a massa para tapioca da marca Realeza. A Coopatan comercializa seus produtos em redes de supermercados nacionais e nos regionais, de toda a Bahia.

A laranja tem seu lugar e marca presença. Em bolos ou na decoração, a fruta se destaca. Em Rio Real, 84 agricultores ligados ao Centro Agroecológico do Litoral Norte (Cealnor) colheram 1.612 toneladas de laranja. A maior parte é vendida para a Cooperativa Agropecuária do Litoral Norte da Bahia (Coopealnor) e a outra parte nas feiras livres da região.

Bebidas

De Norte a Sul da Bahia, as comidas estão garantidas e as bebidas também. O licor, bebida junina típica mais famosa dessa época, é um sucesso e traz os sabores de cada região do estado. Em Monte Santo, a Associação Tapera, vinculada à Cooperativa Regional de Agricultores Familiares e Extrativistas da Economia Popular e Solidária (Coopersabor), tem licores nos sabores jenipapo, umbu, licuri, cajá, amendoim, maracujá do mato, maracujá, abacaxi e maracujá cremoso.

Com os sabores da Caatinga, a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), localizada no município de Uauá, produz licor artesanal de umbu e de maracujá da Caatinga. Tem ainda o licor de mel de cacau, da Cooperativa de Serviços Sustentáveis da Bahia (Coopessba), de Ilhéus, da marca Natucoa, e, também, da Cooperativa da Agricultura Familiar e Economia Solidária da Bacia do Rio Salgado e Adjacências (Coopfesba), de Ibicaraí, que administra a marca Bahia Cacau.

As organizações produtivas da agricultura familiar são apoiadas pelo Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). Os recursos são aplicados desde a base produtiva até a comercialização dos produtos.

Para o público soteropolitano, alguns produtos podem ser adquiridos por meio de plataformas digitais, como os sites: coophub.com.br e www.escoarbrasil.com.br.

Assessoria de Comunicação

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceito Leia mais

Privacidade& Política de Cookies