O jornal desprestigiado de Juazeiro que carrega consigo um nome muito forte de um movimento que segundo a Constituição do Brasil de 1988, no inciso LXXIII do art.5º: tem como conceito básico de que “qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência.”, destorce tudo o que implica na lei.

Em suas postagens nojentas e típicas de repúdio, o seu víés é contra tudo e contra todos. É notório vermos mídias brasileiras serem tendenciosas ou parciais, mas, ver uma mídia escrota atacar famílias, invadir a privacidade de políticos, e ou, pessoas que tenham suas conotações políticas contrárias ou até mesmo por opção sexual, ah, aí já é o cúmulo do absurdo.

Reconhecer e entender que não tem mais mamata, que, com suas factóides não consegue o mínimo de prestígio nenhum, uma mídia infame do Vale do São Francisco que não tem nenhum reconhecimento em nenhuma cidade por onde tenta bajular políticos, tenta atacar governos, tentando desmoralizar os que fazem com responsabilidade o trabalho sério de divulgação das boas ações do governo municipal. É com base em potoca e difamações que um site vil tenta a todo custo enganar as famílias uauaenses. Como não conseguem, desmentidos por pessoas que tem argumentos e respostas com trabalho sério em prol do povo uauaense, o desprezível site tenta atacar pessoalmente os profissionais de imprensa.

Nesta segunda-feira,16, o conceituado Comunicador, Publicitário, Web Master e blogueiro Adailton Santana, Editor do site Uauá.com,br, ao postar matéria em tempo real de acontecimentos que, na cidade, teve como vítima a sociedade, apenas cometeu um equivoco, que fora abordado por filha de pessoas que não estariam envolvidas na cena, mas, de imediato, abordado em rede social, EDUCADAMENTE por um internauta corrigiu a matéria, o lapso foi uma das diversas mentiras que o jornaleco postador de matérias baseadas em prits de comentários em redes sociais, tentou dizer que o comunicador teria sido desmoralizado. Como dito anteriormente, o radialista foi apenas abordado e de forma gentil solicitado que fosse feita a correção na noticias no site, o que foi feito pouco tempo depois. Não bastasse, o assecla do site que vivem de tentar enganar o povo de Uauá, atribui ao comunicador o termo “tupiniquim”, o que siginifica ” adjetivo masculino e feminino[Etnologia] Pertencente ou relativo aos Tupiniquins, antiga nação de índios brasileiros, no território da Bahia.

O comunicador, Natural de Uauá, que quando pequeno cresceu na fazenda Testa Branca e estudou boa parte do tempo na cidade, é pardo e em nenhum caso em questão, faz parte de etnia indígena, o que, aparentemente o site tenta diminuir a sua pessoa desprezando aquele povo se ele fizesse parte. “Quero dizer aos irmãos em cristo indígenas que não faço parte desta etnia a mim atribuída, mas, se assim fizesse, teria o maior orgulho da mesma forma que tenho em dizer que sou filho de Uauá, oriundo do Interior, fazenda Testa Branca, e que a mim nada incomoda ser taxado de índio, pelo contrário, muito me orgulha”. – Aos que vivem da minha vida, que paguem minhas contas, que cuidem bem de mim, assim como cuido de vocês, zelando pelo seu bem estar”- pontuou Adailton Santana.

Não bastasse, o tal patranhoso, não é reconhecido como imprensa em lugar algum, ao contrário do comunicador, Adailton Santana que , na área de comunicação e presta serviços em várias cidades do vale, ao contrário de quem fala mal do empresario, empreendedor da “ASCOM”. Uma breve consulta no mapa de mídia da Bahia, do Governo do Estado, a empresa de Adailton Santana, ASCOM, aparece entre as mais conceituadas mídias de informação do Vale como: Agência CH, BlogBlog Geraldo José, PRETO NO BRANCO e outros.