UAUÁ, PROFESSORES DECIDEM: SEM DÉCIMO TERCEIRO E SEM O PAGAMENTO DE DEZEMBRO NÃO HAVERÁ RESULTADO FINAL DO ANO LETIVO 2016 E NEM O INÍCIO DO ANO LETIVO DE 2017

Os professores da Rede Municipal de Uauá, reunidos em Assembleia na sede da APLB-Sindicato Núcleo de Uauá, ontem(29 de Novembro de 2016), decidiram, por unanimidade, parar as ATIVIDADES NO DIA 08 DE DEZEMBRO, APÓS O QUINTO DIA ÚTIL , CASO O MUNICÍPIO NÃO PAGUE A TODOS O MÊS DE NOVEMBRO, assim como PARAR AS ATIVIDADES […]
Os professores da Rede Municipal de Uauá, reunidos em Assembleia na sede da APLB-Sindicato Núcleo de Uauá, ontem(29 de Novembro de 2016), decidiram, por unanimidade, parar as ATIVIDADES NO DIA 08 DE DEZEMBRO, APÓS O QUINTO DIA ÚTIL , CASO O MUNICÍPIO NÃO PAGUE A TODOS O MÊS DE NOVEMBRO, assim como PARAR AS ATIVIDADES NO DIA 20 DE DEZEMBRO, SE O MUNICÍPIO NÃO PAGAR O DÉCIMO TERCEIRO, E SÓ INICIAR O ANO LETIVO DE 2017 COM O PAGAMENTO DE SUAS ATIVIDADES EM DIAS, NENHUM DIREITO A MENOS. A decisão foi tomada devido aos atrasos no pagamento de boa parte da categoria e a estimativa de que o municio não pague o décimo terceiro salário de 2016, conforme os fatos decorridos, SITUAÇÃO VIVENCIADA PELA CATEGORIA EM TODO FINAL DE GESTÃO, DESDE O ANO 2000.


A direção da APLB-UAUÁ informou as ações junto ao Ministério Público, dentre elas uma Representação e reunião com o representante do MP para versar sobre o assunto, no intuito de que a Justiça tome as Devidas Providências.


O coordenador da APLB-UAUÁ, Francisco-Prolepses, externou: “Essa situação vem decorrendo desde 2012. Todo final de ano tem-se problema para pagar o décimo terceiro dos profissionais em Educação e o mês dezembro e TODO INÍCIO DE ANO A DIREÇÃO DA APLB-UAUÁ DAR A MESMA RECOMENDAÇÃO: “MANTENHAM SÓ O BASE E A CONTENÇÃO DE DESPESAS, POIS A ESTIMATIVA DO FUNDEB JÁ NOS DAR UM PARÂMETRO.” Infelizmente, não há um planejamento objetivo para que se possa sanar esse desequilíbrio. E nós sempre estivemos  abertos a contribuir(Direção e Professores)! Nós estamos tomando a mesma atitude aplicada em 2012, quando a gestão saiu nos devendo, indo ao Ministério Público e com ação judicial pronta para acionar a justiça afim de resguardar o direito dos profissionais em Educação(lembrando que semana passada ingressamos com uma representação contra o município na justiça, justamente para alertar sobre a situação). É óbvio que prestamos um serviço para o Município e o Município tem que nos pagar, independe de quem o governe, PROVA É QUE A JUSTIÇA BLOQUEOU OS RECURSOS EM 2012 E EM 2013 O GESTOR(QUE ACABARA DE ENTRAR) TEVE QUE NOS PAGAR. Nesse sentindo, a decisão da categoria foi acertada. E é uma prerrogativa do trabalhador, quando tem seu direito ceifado, parar suas atividades; e só iniciar o ANO LETIVO DE 2017 com PAGAMENTO EM DIAS(É BOM DEIXAR CLARO-POR MAIS QUE NÃO PAREÇA-QUE SOMOS TRABALHADORES E NÃO ESCRAVOS).  Nós vamos enviar cópia da Decisão da Assembleia para os órgãos responsáveis e para a Justiça. 




ASCOM: APLB-UAUÁ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha Captcha Reload